2º dia – FEPTEF 2014

FEPTEF DESTAQUE

E mais um dia Fortaleza inicia respirando teatro, durante o V Festival de Teatro de Fortaleza, que começou ontem (10). Às 9h, a criançada ficou atenta para as leituras dramáticas dos artistas Gal Saldanha e Célio Silva, da Companhia Prisma de Artes.

 

Ao meio-dia, foi a vez do Grupo Teatro de Bonecos Fantochito, do Piauí, apresentar-se com o espetáculo ‘A Flor do Mamulengo’, no Teatro Carlos Câmara. A peça retratou a vida do vaqueiro Benedito e sua mulher Joaninha em busca de uma vida melhor. Num embate pela sobrevivência, lutam com uma cobra gigante, que representa as dificuldades da vida. No desenrolar do espetáculo de mamulengo, a plateia riu e mergulhou na história com grande interatividade.

 

Também ao meio-dia, ocorreu o espetáculo ‘Comer, querer, ver’, do Outro Grupo de Teatro (CE). Com texto de Yuri Yamamoto, a história falou de formas, cores, tamanhos, tipos, raças, estaturas, desenhos, esculturas, pinturas, beleza, feiura, tesão, paixão e visão. A tônica da história configurou-se desde a primeira troca de olhares e a primeira transa. 

Participando pela segunda vez do Festival Popular de Teatro, os integrantes do Outro Grupo de Teatro encaram a experiência de levar os espetáculos para locais abertos como algo desafiador. “Nossos trabalhos são pensados para a caixa cênica, as linguagens e códigos são muito diferentes, mas foi muito bacana tentar esse novo formato. No caso desse espetáculo de hoje, que é cômico, mas usa também o erótico, foi uma experiência maluca, especialmente num lugar imprevisível como a rua”, descreve Ari Areia, um dos integrantes do grupo.

A abordagem da homoafetividade, um dos temas comumente trabalhado pelo grupo em seus espetáculos, tem um impacto importante junto aos frequentadores dos terminais. “Tem um público que não é alcançado por essa discussão, e a gente quer chegar até ele, porque é uma forma de levar esse assunto para as rodas de conversas dessas pessoas”, explica Ari.

 

 

Às 15h, foi a vez do Grupo Coisa Nostra, de Pernambuco, apresentar o espetáculo Coisa Nostra, na Praça do Ferreira. A companhia de teatro apresentou uma realidade paralela, em que os músicos eram personagens que viviam em uma ilha fantástica, que se movia pelo mundo. Sob os olhares atentos do público, a narrativa permeava entre o contexto surreal, que envolve o antigo, e o contemporâneo, simultaneamente.

 

Na Praça Farias Brito, às 16h, o Grupo Teruá (CE) apresentou a peça ‘Do valoroso amor inalcançável’. A rua transformada em picadeiro foi o foco da peça, que realizou números de dança, palhaço e acrobacias. No entanto, um bêbado-poeta, que se denominou Dom quixote mudou os rumos da apresentação.

 

 

Às 19h30, no Espaço Popular de Artes (Dias Macedo), o Grupo Bagaceira apresentou o espetáculo Meire Love. A plateia ficou extasiada diante da narrativa, que contou a história de três meninas, com aproximadamente 12 anos de idade, que viviam pelas ruas da cidade, próximas à orla. Em meio aos palavrões, drogas, brincadeiras na praia e mergulhos no mar, as meninas sonham com um gringo que as tire daquela situação.

As apresentações não param por aqui. Amanhã tem mais! Confira:

Programação 12/11/14

9h – Leituras dramáticas (Praça do Ferreira);

12h – Confirma? (Terminal da Parangaba);

15h – Antenor e o boizinho voador (Praça do Ferreira);

16h – Cinco Coisas (Praça do Ferreira);

16h – A bruxa catifunda (Praça Ari de Sá).

 

Deixe uma resposta

(*) Required, Your email will not be published